sexta-feira, 2 de abril de 2010

Síndrome do Pânico



A Síndrome do Pânico é caracterizada por crises inesperadas de medo e desespero.A pessoa que tem síndrome do Pânico sente tremor,taquicardia,calafrios,dor no tórax,náusea,tontura,sudorese,tem a impressão de que vai desmaiar ou até morrer.Muitas vezes acham que podem estar com algum problema cardíaco,por sentirem o coração extremamente acelerado. Geralmente as pessoas que tem a Síndrome do Pânico não saem de casa,se isolam,deixam de ter convívio social naquele momento. A ansiedade é um sentimento normal,mas quando causa sofrimento,torna-se um problema patológico,como a síndrome do Pânico.

As causas psicológicas são stress,dificuldade em lidar com os problemas do dia a dia,dificuldade para lidar com perdas,problemas afetivos,financeiros ou de saúde.Pessoas muito preocupadas,que tem expectativas altas em relação a tudo,que tem dificuldade de aceitar mudanças,que reprimem sentimentos,que não conseguem relaxar,que assumem grandes responsabilidades,perfeccionistas e que exigem demais dos outros e de si mesmos,não aceitam erros ,nem imprevistos,pessoas assim tem uma probabilidade maior de vir a ter a Síndrome do Pânico.

O cérebro produz substâncias chamadas neurotransmissores,que são os responsáveis pela comunicação que ocorre entre os neurônios.Essas comunicações formam mensagens que irão determinar a execução de todas as atividades físicas e mentais do nosso organismo,como andar,pensar,memorizar.Um desequilíbrio na produção desses neurotransmissores pode levar algumas partes do cérebro a transmitir informações e comandos errados.Isso é o que acontece quando ocorre a Síndrome do Pânico,existe uma informação errada que alerta e prepara o organismo para uma ameaça ou perigo,que na verdade não existe.Nesse caso a serotonina e noradrenalina estão em desequilíbrio.

Essas crises podem voltar a acontecer.

Pessoas com a Síndrome do Pânico não gostam de ir a lugares cheios,param de dirigir, evitam andar desacompanhadas, não conseguem dormir bem,fogem da vida social.Isso gera um impacto muito grande no dia a dia da pessoa,como qualquer outra doença. Algumas pessoas podem apresentar Agorofobia ou outros tipos de Fobias.Pessoas com esse problema geralmente estão vivendo um período de conflitos em suas vidas.Os ataques de Pânico podem ser inesperados e sem motivo.Podem ocorrer por alguma situação de conflito ou stress que a pessoa enfrenta.

No tratamento da Síndrome do Pânico,a medicação é indicada para aliviar o sofrimento causado pela Síndrome do Pânico, mas não modifica os fatores que causaram esse quadro. A especialidade médica responsável por este tipo de tratamento é a Psiquiatria. Geralmente se utiliza uma associação de ansiolíticos, algumas vezes antidepressivos e terapia.

Autora: Renata Ayres Goldstein

20 comentários:

gegezinha disse...

Esse texto achei muito interessante por falar de um assunto que as vezes muitas pessoas tem um certo medo de chegar um dia a ter, além de fatores biológicos que influenciam o medo e pavor,e uma coisa muito interessante também é que você pode estar em qualquer fase de sua vida e são inesperados, mas geralmente são pessoas atingidas aquelas que passam por dificuldades na vida. Me chamou muito atençaõ pois é um assunto interessante.

GERMANNA DELLA VECHIA CORDEIRO
psicologia Manha

carla disse...

Achei muito interessante e curioso o texto, ele trata de um assunto do dia a dia que pode acontecer com qualquer um.
tras um pouco da realidade dessas pessoas,do que elas acabam fazendo e sentindo,assim nos fazendo ter mais compreenção enquanto a elas tbm.
É importante tambem falar que essa pessoa é acompanhada de psiquiatras e terapeutas,isso mostra que eles ajudam a dar segurança a essas pessoas para que elas possam seguir em frente com seus medos.

Maurilia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maurilia disse...

Esse texto sobre Síndrome do Pânico me fez recordar uma fase da minha vida muito perplexa. Tive um relacionamento no qual a pessoa apresentava essa síndrome, foi complicada a minha aceitação por conta do apenas do senso comum, via todo seu sofrimento psíquico, mas não tinha noção como o cérebro reagia à síndrome! Agora de fato entendi que o que acarreta é o desequilíbrio na produção dos neurotransmissores levando o cérebro a transmitir informações erradas, vindo a deixar as pessoas escassas a perigos não existentes, afetando não só psicologicamente, mas socialmente também. A colega fez uma ótima colocação a partir da pré disposição até o tratamento da síndrome, de fato de acordo com a colocação dela relembrei a partir daí muitas coisas!
Parabéns ótimo texto.
Maurília Gurgel Bezerra
Psicologia Manhã.

Iberê Lins disse...

Vale salientar que quase a unanimidade dos pesquisadores apontam a base do transtorno do pânico não apenas no fenômeno em si, mas inserida num contexto social. Sempre que se estuda este transtorno, deve-se levar em conta o meio e a cultura em que ele se desenvolveu. Como bem explicita o texto, é sempre bom lembrar que existem grandes diferenças entre ansiedade normal e o transtorno do pânico, muito embora esse último tenha sido incluido entre os "transtornos de ansiedade" na quarta versão do DSM (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders - Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais).

Iberê Lins Aymoré
Psicologia FANOR

Anônimo disse...

O texto trata de uma doença da atualidade, a síndrome do pânico esta diretamente relacionada com o estresse do dia a dia e com traumas causados por experiências frustrantes particulares do indivíduo. As reações exageradas, as respostas fisiológicas e as relações sociais, podem agravar a situação, como foi explicado no texto, e o psicólogo terá um papel fundamental durante o tratamento da síndrome. Outro ponto destacado que é muito importante, foi o afastamento social, onde mostra que, às vezes, o indivíduo se "esconde" para não sofrer outras situações que serão ainda mais frustrantes, resultadas da ignorância da sociedade.

Roseline Dantas

Anônimo disse...

Adorei esse texto porque é bem atual, em relação as "doenças da moda", e deixa bem claro o que realmente é a síndrome do pânico. Eu não conhecia os sintomas desta doença e chamou muito a minha atenção foi que de acordo com os sintomas dela, a pessoa pensa que está com uma doença cardíaca. E também adorei a explicação biológica da doença, "o que causa ela!"
Ana Carolina Viana de Carvalho

Anônimo disse...

E esse assunto é interessante ressaltar,pois a síndrome do pânico é confundida com muitas outras doenças por pessoas que não a conhece como''transtornos de ansiedade, depressão e entre outros. E se conhecem a doença, muitos não sabe os fatores biológicos.
Também é bastante interessante porquê fala de como ela reage no cérebro pois á um desequilíbrio na produção de neurotransmissores.
Gostei Bastante.
Karla Diely C. Aristides
Psicologia Manhã

Anônimo disse...

Achei o texto interessante em todos os aspectos, porém o que me chamou mais atenção foi à estrutura do texto em si, pois é um texto diferenciado dos demais, é um texto de modelo tradicional, e contem todas as informações necessárias como: definição, sintomas, tratamentos, características, exemplos bastante reais, e principalmente a correlação que ela faz desta síndrome com o biológico ao relatar a maneira de como esta síndrome age no nosso cérebro. É um texto bem objetivo, direto e completo o que em minha opinião torna a leitura bastante agradável, possibilitando uma melhor fixação e aprendizagem do conteúdo.

Luísa Diógenes Dias
Psicologia- Manhã

Anônimo disse...

Esse texto é bem interresante, falar sobre síndrome do pânico pra quem já passou por isso deve ser bem complicado ,a pessoa revive todos os momentos de terror que ela passou e pra espor isso é preciso ter muita coragem.O texto é bem esclarecedor , pois ,fala dos sintomas, qual o profissional procurar, a forma de tratamento.
Parabéns
Denice Lima de Souza
psicologia-manhã

Márcia Mosa Lage Rodrigues disse...

Esta Sindrome, chamada Sindrome do Panico é uma doença que atinge uma grande parcela da população. Acredito que suas causas se deva aos tempos modernos com seus avanços, mas também com suas ansiedades, procovadas pelo visível aumento da competitividade e violência dos grandes centros urbanos. Quem já viveu ou vive esta Sindrome sabe das suas dificuldades e complicações tanto físicas como psicológicas. É preciso um acaompnhamento de uma equipe interdisciplinar como médicos, pscicológos e educador físico, e muita força de vontade, determinação e auto-controle pessoal para se livrar do problema.

Anônimo disse...

O TEXTO NOS MOSTRA MUITO BEM CLARO QUE, A SINDROME DO PÂNICO ,SOFRIMENTO EM CONJUNTO POIS COM ELA SOFRE NÃO SO A PESSOA COM A QUAL ESTA COM O PROBLEMA MAIS TAMBÉM TODOS QUE ESTÃO A SUA VOLTA VENDO SOFRIMENTO DELA ...
PESSOAS COM A SINDROME DO PÂNICO GERALMENTE FICAM CARENTES E PRECIZAM DE MUITA ATENÇÃO´POIS SE VOÇÊ CONHECE ALQUEM QUE SOFRE COM ESSA SINDROME ESTENDA LHE A MÃO , NUNCA A ABANDONE O SEU CARINHO E SUA ATENÇÃO VALE MUITO PARA ESSA PESSOA .
TEXTO BEM ELABORADO AMIGA PARABÉNS.

EDNALVA DIAS AMORIM.




PSICOLOGIA MANHÃ

Anônimo disse...

Estudos recentes efetivados por Eli Ribeson, da Universidade de Washington, detectaram uma disfunção na circulação cerebral dos portadores dessa síndrome, mesmo fora de crise, através da tomografia com a emissão de positrons.

Lucione Leão.

Anônimo disse...

O TEXTO ME CHAMOU ATENÇÀO,PÓIS, RELATA UMA DOENÇA QUE PODE SER DESENVOLVIDA POR QUALQUER INDIVIDUO. DEPENDENDO APENAS COMO A PESSOA CONSERGUE LIDAR COM OS PROBLEMAS QUE A VIDA PROPOCIONAR.PARA LIDAR COM A DOENÇA QUE MEXE COM A MENTE E O CORPO DO PACIENTE, É PRECISO APENAS DA CONCIENTIZAÇÃO DO PROPRIO PACIENTE PARA OBTER A SUA CURA FAVORÁVEL E CONSEGUIR VOLTAR A SUA VIDA NORMAL.
BEATRIZ LIMA CARVALHO
PSICOLOGIA MANHÃ

Anônimo disse...

O texto é muito interessante e apesar da gravidade do problema que atinge a tantas pessoas é muito bom saber que pode ser evitado. Tudo que temos a fazer é cuidar muito bem de nossa maquina para que sempre esteja em harmonia e funcione em perfeita ordem:
serotonina + noradrenalina = mente saudável (sem panico).
Jose Amilton Viana
Psicologia - Manhã

Anônimo disse...

Esse texto me fez compreender que desequilíbrio na produção dos neurotransmissores levando o cérebro a transmitir informações e comandos errados. E me fez refletir que apesar de ser uma síndrome muito atual, e vem aumentando cada vez mais na sociedade por conta de stress, ainda existe um preconceito sobre ela, por falta de infomações . Achei muito interessante a forma que a colega abordou os principais pontos dessa doença psíquica, formando assim um ótimo texto.
Carolina Rocha Amoreira
Psicologia Manhã

Anônimo disse...

É interessante perceber que o corpo atenta para a chegada da sindrome do pânico. Seria importante ser levado em consideração qualquer estado inicial de anciedade excessiva.
Vale salientar a importancia da medicação feita durante o tratamento e também o auxílio que teria a psicoterapia para a superação da doença e para previnir o retorno da mesma.

Tamara Raisa Maia.
Psicologia - Manhã.

Anônimo disse...

" Pânico ". O texto descreve exatamente o significado desse medo inexplicável que algumas pessoas sentem. O texto me chamou muita atenção, pois a algum tenho convivo com um tipo de pânico que tento controlar que é pânico de assalto ou brigas de ruas. As penas tremem e o nosso sistema nervoso foge do nosso controle. Nesse momento o mais indicado (para mim) é controlar a respiração e pensar em coisas oposta a situação do momento.
Mara Albuquerque

Phabyane disse...

O texto foi muito esclarecedor, pois muitas pessoas ainda acham que problemas psicológicos sérios, como a Síndrome do Pânico, são bobagem, não dando a real importância. Como o texto deixa claro, há toda uma questão biológica envolvida, sem falar nas questões do sono e da alimentação, que influenciam em toda a vida da pessoa.

Phabyane França.

byClaudioCHS disse...

Medo…
Vontade de dar um grito,
ou calar-se para sempre
De ficar parado, ou correr
De não ter existido
ou deixar de existir (morrer)
Não há razão quando a mente não funciona
(redundante, não?)
Vão extinguindo-se as questões
mesmo sem respostas
Perde-se, neste estágio,
a vontade de saber.
O futuro é como o presente:
É coisa nenhuma, é lugar nenhum.
Morreu a curiosidade
Morreu o sabor
Morreu o paladar
parece que a vida está vencida
Tenho medo de não ter mais medo.
Queria encontrar minhas convicções…
Deus está em um lugar firme, inabalável,
não pode ser tocado pela nossa falta de confiança
Até porque, na verdade, confio nele
O problema é que já não confio em mim mesmo
Não existe equilíbrio para mentes sem governo
A química disfarça, retarda a degradação
mas não cura a mente completamente
E não existem, em Deus, obrigações:
já nos deu a vida, o que não é pouco,
a chuva, o ar, os dias e noites
Curar está nele, mas, apenas retardaria a morte
já que seremos vencidos pelo tempo
(este é o destino dos homens)
e seremos ceifados num dia que não sabemos
num instante que mira nossa vida
e corre rápido ao nosso encontro lentamente
(ou rasteja lento ao nosso encontro rapidamente?)
Sei lá…
Mas não sei se quero estar aqui
para assistir o meu fim
Queria estar enclausurado, escondido…
As amizades que restam vão se extinguindo
e os que insistem na proximidade
são os mesmos que insistirão na distância,
o máximo de distância possível.
A vida continua o seu ciclo
É necessário bom senso
não caia uma árvore velha, podre, sobre as que ainda estão nascendo.
Os que querem morrer deixem em paz os que vão vivendo
Os que querem viver deixem em paz os que vão morrendo
Eu disse bom senso?
Ora, em estado de pânico não se encontra bom senso
nem princípios, nem razão, nem discernimento,
nem força alguma
Torna-se um alvo fácil
condenável pelos que estão em são juízo
E questionam: onde está sua fé?
e respondo: ela estava aqui agora mesmo…
ela não se extingui, mas parece que as vezes se esconde de mim…
o problema é que, quando a mente está sem governo
(falo de um homem enfermo)
é como um caminhão que perde o freio
descendo a serra do mar…
perde-se o contato com a fé e com tudo o que há…
e por alguns instantes (angustiantes)
não encontramos apoio, nem arrimo, nem chão, nem parede, nem mão…
ah… quem dera, quem dera…
que a mão de Deus me sustente neste instante…
em que viver é tão ou mais difícil que conjulgar todos os verbos…
porque sou, neste momento
a pessoa menos confiável para cuidar de mim mesmo…
tenho medo, medo…
medo de perder o medo
de sair da vida pela porta de saída…
medo de perder o medo
de apertar o botão “Desliga”…

http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

.